Início | AHU | IICT
IICT7706077059<>77061
TagInd1Ind2CodeValue
0010077060
00520120823034458.0
035 a0024541
035 a0031310
035 a0075390
100 a20050203 k y0pory0103 ba
1010 apor
102 aPT
2001 aCrioconservação de àpices vegetativos de Colocasia Esculenta (L.) Schott
fA.R. Ribeiro, [et a.]
330 aColocasia esculenta (L.) Schott é uma herbácea perene, oriunda de regiões tropicais e subtropicais, podendo ser encontrada no nosso país nos Açores e na Madeira. + cultivada pelos seus cormos e folhas comestíveis e também pelo seu valor ornamental. O método habitual de conservação de germoplasma desta espécie é em colecções vivas, pela plantação anual ou bienal do material vegetal disponível. Este método, trabalhoso e dispendioso, pode dar origem a perdas de diversidade genética. O desenvolvimento de métodos fiáveis de conservação in vitro, é uma prioridade para salvaguardar os recursos genéticos de C. esculenta.
330 aO presente trabalho visou a optimização das técnicas de crioconservação encapsulamento / desidratação e vitrificação de meristemas de C. esculenta. No encapsulamento / desidratação foram testados três meios diferentes de encapsulamento, contendo diferentes concentrações e combinações dos crioprotectores : sacarose, alginato de sódio e glicerol; e três diferentes processos de desidratação: em câmara de fluxo laminar (com e sem pré-cultura das cápsulas em meio com 0,75 M de sacarose), e em recipientes contendo sílica gel. Na técnica de vitrificação, testou-se a influência do tempo de pré-cultura dos rebentos dadores de explantados, em meios de cultura com concentração elevada de sacarose (0,3 M), com o objectivo de aumentar a tolerância dos meristemas á toxicidade dos agentes crioprotectores e á imersão em azoto liquido.
330 aQuando se utilizou a técnica de encapsulamento / desidratação, verificou-se que a taxa de sobrevivência dos explantados mais elevada (5,6%) foi obtida nos meristemas encapsulados nos meios contendo 0,4 M de sacarose ou 0,4 M de sacarose e 2 M de glicerol, e não submetidos a pré-cultura. Nos meristemas encapsulados em meio com 0,4 M de sacarose e submetidos à pré-cultura, a taxa de sobrevivência foi de 4,3%. Na técnica de vitrificação, as taxas de sobrevivência mais elevadas foram obtidas com meristemas provenientes de rebentos não submetidos a pré-cultura (4,7%), seguindo-se os meristemas provenientes de rebentos pré-cultivados durante três semanas (2,5%). Apesar das baixas taxas de sobrevivência é de salientar a viabilidade dos métodos, tendo-se observado crescimento e desenvolvimento de meristemas. Os resultados obtidos necesitam ainda de ser optimizados.
463 aVIII Encontro Nacional de Ecologia
eUniversidade de Évora, 2003
fSociedade Portuguesa de Ecologia
vÉvora
463 vp. 16 (Resumos 30/31 de Outubro e 1 de Novembro)
606 aBiologia
606 aColocasia esculenta
606 aCongelacao
606 aPreservacao biologica
606 aExperimentacao in vitro
686 aBCI
686 aY
700 1aRibeiro
bA.R.
701 1aCarneiro
bM.F.
701 1aMoura
bIsabel Reis
701 1aRomano
bA.
801 0aPT
bIICT
c20050203
gRPC
930 dCDI 25191N
93120050203
935k
936y
9370
938ba
955 c20070416
dADMIN
n1
966 b23/08/2012
lMLITD
sCDI 25191N
w2089871648
970 aSR
UMList: 0,1156 sec